domingo, outubro 15, 2017

Em leitura: A Grande Aceleração


  «Biodiversity conservation has become a global norm in a very short period of time, in reaction to mounting evidence of biodiversity decline. Despite real conservation successes, human activities since 1945 greatly intensified the number and severity of threats facing the world’s living organisms. Human beings increasingly order the world. We have selected a handful of preferred plant and animal species, living in managed and simplified landscapes, and have unconsciously selected another handful of species that adapt well to these landscapes (rats, deer, squirrels, pigeons, and such). In so doing we have greatly reduced or eliminated the number of other plants, birds, mammals, insects, and amphibians that lived in and on these landscapes just a short time ago. In this regard the ethical question is much the same as ever: Are we content with a world containing billions of humans, cows, chickens, and pigs but only a few thousand tigers, rhinoceroses, polar bears - or none at all?
The twenty-first century portends still greater pressure on biodiversity than did the twentieth.   Rising affluence, at least for some, plus three to five billion additional people, will menace the world’s forests, wetlands, oceans, seas, rivers, and grasslands. But climate change likely will set the twenty-first century apart.» (pág. 100)

Engelke, Peter; McNeill, J. R, The Great Acceleration, An Environmental History of the Anthropocene since 1945, The Belknap Press of Harvard University Press, 2014

(os destaques são nossos)

sexta-feira, outubro 13, 2017

Grandes aberturas: Afirma Pereira


Afirma Pereira tê-lo conhecido num dia de Verão. Um magnífico dia de Verão, cheio de sol e de vento, e Lisboa resplandecia. Ao que parece, Pereira estava na redacção, não sabia que fazer, o director estava de férias, e ele via-se com o problema de preparar a página cultural, pois o Lisboa passara a ter uma página cultural, e tinham-lha confiado. E ele, Pereira, reflectia sobre a morte. Naquele belo dia de Verão, com a brisa atlântica acariciando as copas das árvores e o Sol a brilhar, com uma cidade que cintilava sob a sua janela, e um azul, um azul incrível, afirma Pereira, de uma limpidez que quase feria os olhos, ele pôs-se a pensar na morte. Porquê? Isso, Pereira não sabe dizer. 

Antonio Tabucchi, Afirma Pereira, Publicações Dom Quixote, 2000


***

Um livro que devia ser lido pelos ruis ramos deste mundo, em particular os historiadores, em suma, por aqueles que ousam omitir a palavra “fascismo” dos fascículos da nossa História. Realmente, admitamos, a coisa conspurca. Talvez por isso a queiram esconder, mas, o grande problema é que para além de conspurcar, cheira mal. Ele há nódoas que não se deixam apagar.

Aquela gente deixou descendência que caminha connosco. Daí não vem mal ao mundo. O passado ficou lá atrás e temos de saber viver uns com os outros e respeitarmo-nos. Fazemos parte do mesmo país e do mesmo povo e há um futuro a construir. Compreende-se que alguns desses descendentes gostassem de apagar uma parte da história ou de a reescrever de outra forma…É compreensível. Mas não é aceitável. 

quinta-feira, outubro 12, 2017

Um furacão chamado Ofélia


(Atenção: Hazardous conditions can occur outside of the cone.Daqui.

***

Um furacão chamado Ofélia

Naquela direcção
Segue um furacão,
Ofélia de seu nome.
Já sopra um suave Afro,
Nas ocidentais praias,
Mas Ofélia segue longe.

Ao largo das nossas costas passeará,
Sem se abeirar das brancas areias.
Não irá romper a interdição
de Neptuno:
Nem chuvas, nem tormentos,

Nas costas da Lusitânia.

domingo, outubro 08, 2017

Onde pára a frente polar?



Alheada do nosso quotidiano, das nossas querelas, das nossas mobilizações, longe, corre a frente polar. Longe caem as chuvas que fertilizam os campos e lavam as cidades outonais. Longe vai o tempo em que o Outono era Outono. O pó do Verão paira e entope ainda as nossas narinas. A continuar assim o Verão de São Martinho vai ser uma pilhéria, uma ironia, um Verão pontual perdido entre dias de Verão. Maldito céu azul.

Que venham as tempestades.  

Ainda a questão do separatismo em Espanha

A questão do separatismo em Espanha é quase tão velha como a própria Espanha. Os seus períodos mais virulentos ocorrem quando falta cimento agregador ao projecto espanhol. O fornecimento desse cimento é da responsabilidade do Poder central. Quando enfraquece nesse seu papel mobilizador, estala o verniz dos separatismos, exactamente naquelas periferias onde a força centrífuga é maior.

É o velho jogo de equilíbrio entre forças centrípetas e forças centrífugas que deve promover o Poder central. Quando falha nesse papel, porque também ele por vezes se distancia, então enfraquece a coesão de todo o conjunto de comunidades e províncias.

E assim, pontualmente, os separatismos vão emergindo, umas vezes mais, outras menos, na história da Espanha ou das espanhas (como insinuou uma vez Michel Drain, na sua pequena Geografia da Península Ibérica: a Espanha são as espanhas). 

sábado, outubro 07, 2017

Lo que ha pasado en España

Las grandes naciones no se han hecho desde dentro, sino desde fuera: sólo una acertada política internacional, política de magnas empresas, hace posible una fecunda política interior, qui es siempre, a la postre, política de poco calado.  

Ortega y Gasset, España Invertebrada, 1921, pág. 40



En 1900 se empieza a oír el rumor de regionalismos, nacionalismos, separatismos…Es el triste espectáculo de um larguíssimo multissecular otoño, laborado periódicamente por ráfagas adversas que arrancan del inválido ramage enjambres de hojas caducas.

El processo incorporativo consistia en una faena de totalización: grupos sociales que eran todos aparte quedaban integrados como parte de un todo. La desintegración es el suceso inverso: las partes del todo comienzan a vivir como todos aparte. A este fenómeno de la vida histórica llamo particularismo y si alguien me perguntase cual es el carácter más profundo y más grave de la actualidad española, yo contestaría con esa palabra.

Ortega y Gasset, España Invertebrada, 1921, pág. 47

La esencia del particularismo es que cada grupo deja de sentirse a sí mesmo como parte, y en consequencia deja de compartir los sentimentos de los demás. No le importa las esperanzas o necesidades de los otros y no se solidarizará con ellos para auxiliarlos en su afán.

Ortega y Gasset, España Invertebrada, 1921, pág. 48

El propósito de este ensayo es corrigir la desviación en la puntería del pensamiento político al uso, que busca el mal radical del catalanismo y bizcaitarrismo en Cataluña y em Vizcaya, cuando no es allí donde se encuentra. ¿Dónde, pues?
Para mim esto no ofrece duda: cuando una sociedad se consume víctima del particularismo, puede siempre afirmarse que el primero en mostrarse particularista fue precisamente el Poder central. Y esto es lo que ha pasado en España.

Ortega y Gasset, España Invertebrada, 1921, pág. 49

***

O ressurgir dos particularismos regionais prende-se com o primeiro de todos os particularismos, o do Poder central. A este poder falta perícia para desencantar a magna empresa, ou se quisermos, o grande desígnio mobilizador, necessário para que se mantenham unidos os povos das espanhas. Mas hoje o quadro é diferente do de 1900. A Espanha, ou o conjunto das espanhas, se quisermos, integra-se num projecto maior que se quer agregador à escala internacional – o do aprofundamento da integração europeia no quadro da U.E.. O falhanço do Poder central espanhol em demandar uma empresa agregadora prende-se também com o falhanço da União Europeia em afirmar-se como projecto agregador de povos, regiões e países. A União Europeia, através dos seus órgãos, aliás, sublinha mais ainda a sua fraqueza ao não assumir rapidamente uma posição cristalina em relação à questão catalã ou a qualquer questão separatista que envolva a desintegração de um dos seus Estados-membros. Se a Catalunha repudia a Espanha, então repudia a União Europeia – esta deveria ser a posição da União Europeia. Se a Catalunha sai de Espanha, então sai da União Europeia, e, se quiser pertencer à União Europeia, então só deveria integrar-se nela com a anuência unânime dos seus Estados-membros, incluindo a Espanha - esta deveria ser a posição da União Europeia, que assim se afirmaria enquanto projecto agregador de povos e não, enquanto projecto desagregador dos seus Estados-membros.

------------------------------------------
Referência: 

José Ortega Y Gasset, España invertebrada; La deshumanización del arte (Colección Grandes Pensadores Españoles), Editorial Planeta Agostini, 2010. 

domingo, setembro 10, 2017

Terra marciana

  Ponta de São Lourenço (Madeira)                                          (C) AMCD

sábado, setembro 02, 2017

Quando o Inverno chegar


Público, aqui, 1 de Setembro de 2017

***

Continuamos a sacrificar o futuro pelo presente. Quem vier a seguir que pague a conta. E assim o capital vai fazendo a sua incursão nesse território que é o futuro (o capital precisa sempre de novos campos para alimentar a sua sede ilimitada de acumulação e por isso se expande no espaço e no tempo). Assim, no futuro não teremos nem território, nem soberania. Seremos escravos de credores. Outros governos terão pretextos para políticas austeras, medidas draconianas e aumentos colossais de impostos. Seremos novamente um protectorado sujeito aos ditames de funcionários de um império sem rosto. Outras troikas virão. Governar como hoje se governa, contraindo dívida, é fácil, pois o custo das decisões é sempre enviado para o futuro. É uma governação de cigarras. Depois não se queixem, quando o Inverno chegar.



quinta-feira, agosto 24, 2017

terça-feira, agosto 22, 2017

Black Hole Sun

Ponte Ravenel em Charleston, Carolina do Sul

sábado, agosto 19, 2017

Do racismo, da intolerância e do medo perante o desconhecido

A intolerância, sugere [Umberto] Eco, «chega antes de qualquer doutrina. Assim, a intolerância possui uma raiz biológica, manifesta-se no reino animal sob a forma de territorialidade, baseia-se em reacções emocionais que são, frequentemente, superficiais – não conseguimos suportar aqueles que são diferentes de nós, por a sua pele ser de outra cor; por falarem numa língua que não compreendemos; por comerem sapos, cães, macacos, porcos ou alho; por fazerem tatuagens…»  

Umberto Eco citado por Zygmunt Bauman, “Sintomas em busca de um objecto e de um nome” in O Grande Retrocesso, Objectiva, 2017, pág. 38

"No one is born hating another person because of the color of his skin or his background or his religion..."

Nelson Mandela citado por Barack Obama no Twitter a 13 de Agosto, em reacção aos confrontos e agressões de Charlottesville entre supremacistas brancos e manifestantes anti-racismo. @BarackObama

***

O racismo não é inato, como dizia Mandela, o que faz dele uma questão cultural. O racismo encontra, no entanto, solo fértil nesse sentimento de intolerância com raízes biológicas, a que se refere Eco, e que cada um de nós sente de forma primária e superficial. Há quem explore esse medo perante o desconhecido, essa intolerância, para incutir no outro a doutrina que proclama a superioridade racial de uns em relação aos outros. Saber que o racismo tem raízes em reacções emocionais superficiais é meio caminho andado para erradicá-lo. Os demagogos porém, como refere Bauman, exploram esse medo perante o desconhecido para expandirem ideologias de ódio:

Os demagogos fundamentalistas, integralistas, racistas e etnicamente chauvinistas podem, e precisam de, ser acusados de alimentar uma «intolerância rudimentar» pré-existente e de com ela lucrar, propagando, assim, as suas reverberações e exacerbado a sua morbidez – mas não podem ser acusados de causar o fenómeno da intolerância.

Onde procurar, então, a origem e a força motriz desse fenómeno? Esta última, a meu ver, será o medo perante o desconhecido – de que os «estranhos» ou «forasteiros» (por definição insuficientemente conhecidos, muito menos compreendidos, e praticamente imprevisíveis nas suas condutas e reacções face às nossas próprias jogadas) são o símbolo mais proeminente, o mais tangível, porque próximo e notório.

Zygmunt Bauman, “Sintomas em busca de um objecto e de um nome” in O Grande Retrocesso, Objectiva, 2017, pág. 39.


Curiosamente esse medo perante o desconhecido também tem sido ao longo da história explorado para fins de gestação e propagação religiosa, estando na raiz das religiões que dividem os seres humanos em diferentes credos. O medo perante o desconhecido é hoje ainda mais dramático, pois o contexto social e económico em que vivemos aponta no sentido da individualização do individualismo, da quebra dos laços comunitários e sociais e atomização, em que cada indivíduo se apresenta aos olhos do outro, cada vez mais, como um elemento estranho e suspeito, alguém que pode ou não encerrar todos os males do mundo (é uma incerteza, um risco), como uma caixa de Pandora, ou um terrorista. E a questão torna-se ainda mais paradoxal quando vivemos na era da omnipresença informacional. Cada vez mais informados mas desamparados perante o desconhecido à nossa porta, na nossa rua, ao nosso lado.

segunda-feira, agosto 14, 2017

"Trump" ad nauseam

Há quem se questione, perplexo, acerca das razões que levaram Trump a vencer as eleições americanas. Como foi possível? Há quem responda, mas a questão volta continuamente a ser colocada, o que prova que as respostas nunca chegam a ser conclusivas ou cabais. A perplexidade ainda persiste em muitos círculos de opinion makers que falam nas cadeias noticiosas mundiais (CNN, BBC, Sky News, etc.). Há quem considere Trump genial por conseguir ser notícia o tempo todo. Propositadamente ou não, ele tem a capacidade de ser notícia a um ritmo horário contínuo. O seu nome é pronunciado dezenas de vezes por hora, para não dizer centenas, em canais noticiosos como a CNN. Experimente o leitor ligar esse canal a qualquer sinal horário, quando vão para o ar as highlights. Era assim há um ano quando a campanha eleitoral americana estava no auge e os pivots da CNN lhe moviam um ataque cerrado, mas também é assim agora. O seu nome é matraqueado a todo o momento. "Trump" ad nauseam. "Trump" no prime time. Trump, a obsessão da CNN. Inadvertidamente o canal televisivo tornou-se o maior anunciador publicitário da marca "Trump" ainda que a maioria das notícias sobre ele não o favoreçam. Ainda assim publicitam-no. Ironicamente aparecem depois os opinion makers no mesmo canal a questionarem-se espantados acerca das razões que levaram Trump à vitória.


Não terá o facto de o canal manter a marca “Trump” no ar o tempo todo exercido um efeito em muitos telespectadores acríticos, da mesma forma que a publicidade repetitiva o faz relativamente a uma determinada marca de um produto que se quer vender?

sexta-feira, agosto 11, 2017

Nestas férias estou a ler…

…romances de cavalaria.


Quem diria que uma pechincha (custou apenas 2€ na livraria da Europa-América) daria um tão grande prazer de leitura. O livro da Europa-América está muito bem traduzido embora tenha algumas gralhas. Trata-se, no entanto, de uma edição de 1981. 

…ensaios de política e economia.


Gostei de ler acerca das origens do neoliberalismo, da incompatibilidade entre integração económica profunda, soberania nacional e política democrática ("a democracia, a soberania política e a integração económica global são mutuamente incompatíveis; entre as três é preciso escolher duas") e a desmercadorização do bem-estar...Mas existem muitos ensaios por ler. A leitura continua. 


A Segunda Guerra Mundial (a perspectiva inglesa).



É uma perspectiva inglesa com certeza. Com Martin Gilbert os ingleses saem sempre bem na fotografia. Mas é uma leitura interessante.

E falta a poesia. Mas as férias ainda não acabaram.

sábado, julho 22, 2017

O triunfo dos algoritmos

Quanto mais os trabalhadores funcionam como apêndices das máquinas com que trabalham, menos liberdade de manobra têm, menos importantes são as suas competências e mais vulneráveis se tornam ao desemprego tecnológico. É isso que explica a oposição frequentemente forte dos trabalhadores à introdução das novas tecnologias.

David Harvey, O Enigma do Capital, Bizâncio, 2011, pág. 112

What will happen to the job market once artificial intelligence outperforms humans in most cognitive tasks? What will be the political impact of a massive new class of economically useless people? What will happen to relationships, families and pension funds when nanotechnology and regenerative medicine turn eighty into the new fifty? What will happen to human society when biotechnology enables us to have designer babies, and to open unprecedented gaps between rich and poor?

Yuval Harari, Homo Deus: A Brief History of Tomorrow, HarperCollins, 2017
(realce nosso)

***


Já não nos bastavam as ameaças das alterações climáticas, do terrorismo, da proliferação nuclear, entre outras. De acordo com Yuval Harari, sobre todos pairará a ameaça da inutilidade e do desemprego tecnológico. O homem enquanto trabalhador tornar-se-á obsoleto. Cada um de nós age e pensa, diz ele, de acordo com uma espécie de algoritmo bioquímico que será ultrapassado pelos algoritmos artificiais inteligentes que criámos. A criação ultrapassará o criador. A raça humana será extinta pela máquina inteligente. Os futuros humanos não serão humanos, serão outra coisa qualquer. Uma espécie de super cyborg, de homem-máquina, quase imortal. Homo deus em vez de Homo sapiens. Qualquer resistência em relação às novas tecnologias, das quais estamos cada vez mais dependentes, será inútil. Qualquer resistência fará de nós luditas do século XXI. E como sabemos os luditas não foram capazes de travar as máquinas.

sexta-feira, julho 21, 2017

Martin Landau morreu na semana passada

Martin Landau (1928-2017)

Martin Landau morreu na semana passada. Partiu o lendário comandante da base lunar Alfa, do Espaço 1999, série televisiva que nos encantou nos anos 70, com as suas águias, naves de descolagem vertical, com os seus intercomunicadores e as suas portas automáticas que abriam com um simples toque num telecomando, e mais muito mais. Por vezes havia monstros invasores nos corredores da base e um ecrã gigante na sala de comando através do qual o comandante comunicava com alienígenas e com os pilotos das águias. Brincávamos ao Espaço 1999 nas traseiras do prédio. Um era o comandante, mas havia enfermeiras, pilotos, médicas e cientistas… Aprendíamos assim. Quase tudo se concretizou em 1999: temos aviões de descolagem vertical e telemóveis, portas que abrem à nossa aproximação, ecrãs tácteis que também nos mostram quem está a falar connosco, computadores… Mas falta-nos uma base lunar permanente. Uma base na Lua, onde o céu é sempre estrelado. Na Lua, onde tudo parece mais perto do cosmos.

A morte de Martin Landau não nos passou despercebida.

domingo, julho 16, 2017

Notícias da sexta extinção: o gradual desaparecimento dos leões e de outros grandes mamíferos

Scientists analysed both common and rare species and found billions of regional or local populations have been lost. They blame human overpopulation and overconsumption for the crisis and warn that it threatens the survival of human civilisation, with just a short window of time in which to act.



Assistimos hoje ao rápido desaparecimento dos grandes mamíferos da superfície da Terra, entre os quais carnívoros e predadores como o leão, noticia o The Guardian. A sua presença no planeta não se coaduna com o crescimento demográfico do homo sapiens sapiens e com a crescente necessidade de mais espaço que suporte as suas infinitas necessidades.

Historicamente o leão estava presente nas regiões onde surgiu a civilização e as primeiras aglomerações urbanas, na Mesopotâmia. Foi caçado pelos assírios e foi representado pelos caçadores-recolectores daquela região, muito antes disso. Actualmente, na Ásia, está confinado a uma pequena bolsa na floresta de Gir, no noroeste da Índia.

No séc. VII a.C. o leão era caçado pelos assírios no norte da Mesopotâmia, região que corresponde actualmente ao norte do Iraque e sudeste da Turquia.

Leão representado num pilar de Göbekli Tepe, presumivelmente 
um centro de culto de caçadores-recolectores e um embrião dos
 primeiros assentamentos urbanos, com cerca de 12 000 anos.

segunda-feira, julho 10, 2017

Revoluções políticas e revoluções científicas

Thomas Kuhn (1922 - 1996)
As revoluções políticas começam com um sentimento crescente, habitualmente restringido a um segmento da comunidade política, de que as instituições existentes deixaram de poder enfrentar adequadamente os problemas colocados pelo ambiente que elas próprias em parte criaram. De modo muito semelhante, as revoluções científicas começam por um sentimento crescente, também geralmente restringido a uma pequena subdivisão da comunidade científica, de que um paradigma existente deixou de funcionar adequadamente na exploração de um aspecto da natureza para o qual esse próprio paradigma tinha indicado o caminho.

Thomas Kuhn, A Estrutura das Revoluções Científicas, Guerra e Paz, 2009, pp. 133-134

sábado, julho 08, 2017

quinta-feira, julho 06, 2017

Substancial, incidental e fatal

Como brincam com as palavras os políticos.

A coisa é muito grave, mas releva do campo do incidental, não do substancial. Há que distinguir as coisas e os nossos aliados sabem distingui-las, garante o ministro Augusto Santos Silva, ou seja, trata-se de um incidente muito grave, o dos paióis, mas não é substancial.

Contudo poderá vir a ser fatal. É aí que reside o problema.

Um poema de O'Neill

A força do hálito

A força do hálito é como o que tem que ser.
E o que tem que ser tem muita força.

Vai (ou vem) um sujeito, abre a boca e eis que a gente,
que no fundo é sempre a mesma,
desmonta a tenda e vai halitar-se para outro lado,
que no fundo é sempre o mesmo.

Sovacos pompeando vinagres e bafios,
não são nada --bah...-- em comparação
com certos hálitos que até parece que sobem do coração.

        "Ai onde transpira agora
         o bom sovaco de outrora!"

Virilhas colaborando com parentesis ou cedilhas
são autênticas (e sem hálito) maravirilhas.
Quando muito alguns pingos nos refegos, nas braguilhas,
amoniacal bafor que suporta sem dor
aquele que está ao rés de tal teor.

Mas o mau hálito é pior que a palavra
sobretudo se não for da tua lavra.

Da malvada, da cárie ou, meudeus, do infinito,
o mau hálito é sempre, na narina,
como o baudelaireano, desesperado grito
da "charogne" que apodrecer não queria.

                          Alexandre O'Neill (1969)

***

Mais poemas de Alexandre O'Neill, e mais, muito mais: aqui.

segunda-feira, julho 03, 2017

Foi você que pediu uma granada

Imagine que está a comer tranquilamente num restaurante e lá para dentro rebola uma das granadas furtadas em Tancos. Não se preocupe, pois o ministro assevera-nos que se trata apenas de uma granada ofensiva. As defensivas são mais letais.

O ministro da Defesa ainda está sentado no seu lugar?

O Chefe do Estado-Maior do Exército ainda está sentado no seu lugar?

O que aconteceu em Tancos é inadmissível. Não é apenas grave, é gravíssimo.

Seria bom que as armas fossem descobertas rapidamente, não interessa onde, antes que rebentem por aí, ou por aqui.

Outra coisa: colocar Tancos dentro do mesmo saco que Pedrógão Grande quanto a apuramento de responsabilidades e suas consequências políticas, como já ouvi de alguns comentadores, é pura desonestidade intelectual. Mas enfim, a politiquice cala mais fundo e estes senhores não resistem à tentação e à pulhice.

sábado, julho 01, 2017

Insucesso escolar e pobreza


Ora é aqui que está a questão. Deviam lembrar-se disto os que fazem a leitura dos rankings das escolas, comparando resultados entre o ensino privado e o ensino público, apontando baterias a este último.

Portugal, país mui católico, se atendermos ao número de crentes, é um dos países da Europa onde as desigualdades sociais entre ricos e pobres é o mais alargado e onde a pobreza grassa. Os doutos que apontam o dedo às escolas públicas e ao ensino que lá se presta, baseando-se nos resultados dos exames nacionais, deviam lembrar-se desta realidade.

Neste país mui católico parece que são precisos pobrezinhos para que haja caridadezinha. Para isso os pobrezinhos dão muito jeitinho.

sexta-feira, junho 23, 2017

O deboche da reportagem

Não poderia deixar de estar mais de acordo com o que escreve António Guerreiro, aqui. Nem há palavras. António Guerreiro disse-as todas, bem ditas e pesadas. É o que penso sobre grande parte das reportagens da tragédia de Pedrogão Grande. Um deboche de reportagens que se converteu num regabofe ao voyeurismo boçal.

Até se arranjou um nome hollywoodesco para a estrada EN 236-1:  "A Estrada da Morte". 

Vivemos na sociedade do espectáculo no seu pior. (*)

Muitos jornalistas deveriam cultivar-se mais, estudar mais e cuidar das ideias. Deveriam voltar a estudar Ética nos bancos da Universidade, se é que alguma vez a estudaram, para que se respeitassem mais e nos respeitassem, que gostamos de ser e de estar informados, com qualidade.

Afinal informar também é educar. Mas como poderão os jornalistas educar se não forem bem educados? Alguns, inadvertidamente, ou talvez não, parecem conceber a informação como se de um espectáculo se tratasse e as reportagens como se fossem uma espécie de filmes de hollywood.

----------

(*) Lembrei-me de uma notícia de há muitos anos sobre a indecisão acerca de um título a colocar num novo filme do 007. Os que escolhiam o título acabaram por concluir que se as palavras "morrer" ou "matar", ou qualquer outra associada à morte, integrassem o título do filme, mais gente iria vê-lo. Era uma questão comercial. E assim lá escolheram o título: Tomorrow Never Dies ou Die Another Day (foi um destes, não posso precisar qual). 

sábado, junho 17, 2017

Um súbito despertar em sobressalto


O último teste para esta projecção da Terra-mãe na totalidade mundana começou com a crise ecológica da Terra, que é, simultaneamente, a primeira crise da humanidade. Esta crise actual da mundaneidade vai mais fundo do que as que surgiram sob a pressão das religiões de redenção e da antiga apocalíptica. Porque para a humanidade actual torna-se, pela primeira vez, verdadeiramente visível na sua totalidade a sua casa comum real no momento da sua destruição. Na tentativa dos povos de mudarem para ela, descobrem-na como algo que já está inexoravelmente em vias de devastação. Esta crise da mundaneidade põe à partida em questão o poder-ser-casa da Terra e o poder habitar da humanidade.

Peter Sloterdijk, O Estranhamento do Mundo, Relógio D’Água. 2008. Pág. 218.

***

Suprema ironia. No preciso momento em que, pela primeira vez, vislumbramos o planeta que nos acolhe, na sua totalidade, tomamos consciência da devastação que o consome e que nos poderá vir a consumir. É como se acordássemos subitamente, sobressaltados, numa casa em chamas. É preciso fazer algo para nos salvarmos e salvarmos o lar “que já está inexoravelmente em vias de devastação”.

Suprema ironia. Quando dormíamos, o nosso sono era reparador e profundo, alheio a todos os perigos. Foi preciso acordar para nos apercebermos da nossa fragilidade e dos efeitos secundários dos actos que cometíamos enquanto sonâmbulos. Agora toda a Terra é a nossa circunstância, sem a qual não há Eu que resista. Vivemos também uma crise de mundaneidade (e não só ecológica), pois só quando o Homem vislumbra a Terra na sua totalidade se apercebe da própria Humanidade que o planeta encerra. Não é apenas a Terra que é vislumbrada na sua totalidade, mas também a Ecúmena.

Poderíamos colocar aqui algumas objecções ao parágrafo do Sloterdijk: quão inexorável é esse processo de devastação? “Inexorável” é uma palavra forte, em rota de colisão com a nossa civilização que teima em resistir e em confrontar tudo quanto é desafio, em particular os desafios que ameaçam a sua própria existência. Será assim tão inexorável a devastação ao ponto de ser irreversível? Logo agora que tomámos consciência da devastação, é tarde demais para agir? Neste momento em que acordámos, vamos já assumir que o planeta “está inexoravelmente em vias de devastação”? Ou estaremos negação, não querendo assumir a inexorabilidade de um apocalipse?

Só um deus pode salvar-nos, disse um filósofo do pessimismo. Pessimismo ou realismo?

A última frase do parágrafo é muito questionável num dos seus termos: não é “o poder-ser-casa” da Terra que está em questão. A Terra já deu provas do seu “poder-ser-casa”. O que está em causa é o poder habitar da Humanidade. O que está em causa é o habitante e não a casa. A casa, para dizer a verdade, já teve outros habitantes, noutras circunstâncias.


quarta-feira, junho 14, 2017

O "charuto" vertical











Hoje as câmaras do mundo estiveram focadas num prédio londrino de 24 andares que ardeu por completo, como um charuto vertical.

***

O urbanismo associado a concepções de alojamento massivo de população desfavorecida em altos edifícios residenciais, há muito que deu mostras de ser um urbanismo falhado que não se adequa à vida de uma cidade que se quer relacional. Os mais pobres são alojados e arrumados em pombais humanos, onde os riscos se acumulam com o passar do tempo – e às vezes nem é preciso muito tempo – até redundarem em catástrofes. No Reino Unido já era clássico o caso do colapso de Ronan Point, Caning Town, no Borough de Newham em Londres, em 1968, causado por uma explosão num fogão a gás (tinham passado apenas dois meses após a chegada dos primeiros moradores). A tragédia de hoje ultrapassa, de longe, a do colapso de Ronan Point. 

terça-feira, junho 13, 2017

That 2,000 Yard Stare

Tom Lea, That 2,000 Yard Stare, 1944.

Daqui.

***

Adeus gloriosa guerra
Jamais gloriosa

Vitoriosa guerra
Jamais vitoriosa

A senda que à guerra conduz

À derrota conduz

(A guerra é sempre uma derrota)

sábado, junho 10, 2017

Da literatura e da arte que perverte, degrada e brutaliza

«Se é verdade que a literatura e a arte de qualidade podem educar a sensibilidade, engrandecer as nossas percepções, refinar o nosso discernimento moral, pelo mesmo raciocínio poderão também perverter, degradar e brutalizar a nossa imaginação e os nossos impulsos miméticos.»

George Steiner, “Homem Gato” in George Steiner em The New Yorker, Gradiva, 2010, pág. 265.

George Steiner

***

As palavras são importantes, para o bem e para o mal. A literatura e a arte também podem ser uma droga potente. Assim se explicam alguns dos seus efeitos nefastos sobre a nossa “imaginação e os nossos impulsos miméticos”. A citação de George Steiner enquadra-se num breve texto que escreveu sobre a obra de um escritor considerado maldito: Céline. Mas quanta literatura e arte (e a literatura é uma das artes) não existem por aí com esse efeito, embora se possa questionar a sua qualidade e até a sua categoria enquanto obra artística. (É isto literatura?) Livros que incendeiam as almas e o mundo, e que sem eles o mundo decerto seria um lugar bem melhor, sem ideologias e religiões incendiárias, e, consequentemente, sem tanto sofrimento. Mas para “educar a sensibilidade” e “engrandecer as nossas percepções” há um preço a pagar.

***

Também poderíamos dizer em nota de rodapé que não existem religiões nem ideologias incendiárias, o que existem são incendiários inspirados por religiões e ideologias.

sexta-feira, junho 09, 2017

Da lei inelutável da história

«Permanece uma lei inelutável da história não dar aos contemporâneos a possibilidade de reconhecer, logo desde os primeiros alvores, os grandes movimentos que marcam o período em que vivem.»  

    Stefan Zweig, O Mundo de Ontem, Recordações de um Europeu, Assírio & Alvim, 2005, pág. 392

“E também não gosto…” Nietzsche não era anti-semita e por certo não gostaria de nazis

«Mas não gosto de todos esses pequenos percevejos, cuja ambição insaciável é a de libertar o cheiro infinito, até o infinito acabar por cheirar a percevejos; não gosto de túmulos redecorados que imitam a vida; não gosto dos homens cansados e gastos que se embrulham em sabedoria e têm uma visão «objectiva»; não gosto de agitadores que se vestem de heróis e disfarçam a velha cabeça de alho chocho com um boné mágico de ideias; não gosto de artistas ambiciosos que aspiram representar o ascético e o sacerdote e que, no fundo não passam de palhaços trágicos; e também não gosto desses especuladores mais recentes no idealismo, os anti-semitas que, a rolar os olhos num estilo cristão-ariano-filisteu, procuram despertar todos os elementos bovinos do povo através de um abuso exasperante dos meios mais vis de agitação e atitudes morais (que todo o tipo de fraude intelectual alcança algum grau de sucesso na Alemanha de hoje está relacionado com a estultificação inegável e já tangível da mente alemã, cuja causa procuro numa dieta extremamente exclusiva de jornais, políticas, cerveja e música wagneriana, incluindo o que esta dieta pressupõe: em primeiro lugar a constrição e vaidade características da nação, o princípio forte mais limitado de «Deutschland, Deutschland über alles», bem como a paralysis agitans das ideias modernas»).»

Friedrich Nietzsche, A Genealogia da Moral, Publicações Europa-América, 2002, pág. 134 (livro de bolso) (o destaque a negrito é nosso)

***

Que eram eles, esses nazis, senão “pequenos percevejos” que empestavam o mundo, querendo que o mundo cheirasse como eles. Não foi a sua ideologia um “túmulo redecorado de vida”? Não eram eles “agitadores vestidos de heróis” nas suas fardas e botas cardadas? Palhaços trágicos! Anti-semitas que despertaram os “elementos bovinos” do povo alemão, “através do abuso exasperante dos meios mais vis de agitação e atitudes morais”. Eis os homenzinhos das SS, nas suas primeiras “acções de combate”, quando saltavam dos seus camiõezinhos ao som de apitos e se punham a dar cacetadas nos sociais-democratas, como nos narra Stefan Zweig:

«Certo dia, quatro camiões chegaram de repente a grande velocidade a uma localidade fronteiriça onde se estava a realizar um comício pacífico dos social-democratas; cada camião vinha apinhado de jovens nacional-socialistas empunhando cacetes de borracha, e tal como me tinha sido dado ver, na Praça de São Marcos em Veneza, também estes aqui surpreenderam, pela sua rapidez, todos os presentes que foram apanhados desprevenidos. Tratou-se exactamente do mesmo método copiado dos fascistas, só que aprendido com férrea precisão militar e sistematicamente organizado até ao último pormenor, à maneira alemã. A um assobio, os homens das SS saltaram dos veículos à velocidade de um raio, bateram com os seus cacetes de borracha em quem lhes aparecia pela frente e, antes que a polícia pudesse intervir, ou os trabalhadores pudessem juntar-se, já eles tinham voltado a saltar para dentro dos camiões que partiram à desfilada.»

    Stefan Zweig, O Mundo de Ontem, Recordações de um Europeu, Assírio & Alvim, 2005, pág. 394


***
Não, Nietzsche não era anti-semita, e por certo abominaria nazis. Parece tê-los cheirado com muitos anos de antecedência, muito antes dos contemporâneos daqueles se terem apercebido do que aí vinha.

quinta-feira, junho 08, 2017

"A Inglaterra está acabada"

Aqui.

Ironias da História

No século XVI os escravos negros eram desembarcados em Lisboa em condições desumanas. Depois de serem capturados nas selvas e traficados nos portos de África eram forçados a embarcar como animais selvagens. Chegavam “em condições terríveis «empilhados nos porões dos navios, vinte e cinco, trinta ou quarenta de cada vez, mal alimentados, acorrentados uns em cima dos outros». Modas luxuosas e loucas contaminavam a cidade: tornou-se comum ter um escravo negro em casa.” (Crowley, 2016, pág. 318). Nessa Era em que se dava início ao que viria a chamar-se comércio triangular, através do Atlântico, – armas por escravos e escravos por algodão, café ou açúcar – o Ocidente arrancava os negros do continente africano, com a colaboração de outros africanos, e arrastava-os para Europa e depois, mais tarde, directamente para as fazendas e plantações das Américas.

Hoje, volvidos cerca de 500 anos, ironia da História, são os negros que partem, expelidos pelo continente infernal, enfrentando todos os perigos da travessia dos desertos africanos e do Mar Mediterrâneo, também em condições desumanas, colocando em risco a própria vida e entregam-se nos braços do Ocidente, de livre vontade, prontos a abraçar qualquer trabalho mal pago, qualquer trabalho escravo, qualquer trabalho nas quintas da Europa, algumas exploradas por gente mafiosa e sem escrúpulos, quase como noutros tempos.

***

Fogem de outras guerras. O inferno é algures em África e o Diabo só pode morar ali. Só assim se explica a debandada dos africanos. Não são escravos, dirão, são homens. Contudo, o que dizer sobre o que se passa na Líbia em relação aos que chegam das terras a sul do Sara?

Vede Aqui!

Se não é escravatura, então o que é?

***
Referência

Crowley, Roger; Conquistadores, Como Portugal Criou o Primeiro Império Global, Editorial Presença, 2016, pág. 318.

quarta-feira, junho 07, 2017

Sobre bombas e cacetadas

Thomas Friedman
Thomas Friedman deve ser mesmo um bom opinion maker, pois muitos são os seus artigos de opinião no New York Times que ficam na memória ou na retina de quem os lê, e após uma só leitura. Um artigo que retive foi o das "nossas três bombas". De acordo com Thomas Friedman são três as bombas que a qualquer momento podem deflagrar e desestabilizar a nossa realidade: a bomba nuclear, a bomba da dívida e a bomba climática. O artigo é este: “Our Three Bombs”, New York Times, 7/10/2009

Desde que li o artigo em 2009, as bombas de Friedman nunca mais me saíram da cabeça. Inspirado por ele, reformulo aqui a lista de "bombas" que nos ameaçam, e são mais do que três, embora algumas, em parte, se possam sobrepor .

 Em primeiro lugar as três bombas de Friedman:

1.     A bomba da ameaça nuclear (a Guerra Fria terminou mas as bombas ainda existem assim como a ameaça da proliferação nuclear).
2.    A bomba da dívida (uma bomba com repercussões económicas e financeiras, também ela devastadora de vidas).
3.     A bomba climática (desencadeada pelo incremento do efeito de estufa com todas as suas consequências).

Às bombas de Friedman acrescento as seguintes (com algum risco de sobreposição parcial):

4.       A bomba demográfica (o crescimento demográfico no mundo é explosivo, acompanhado por uma crescente produção, consumo e pressão sobre os recursos naturais que são limitados face às ilimitadas necessidades humanas);
5.       A bomba ambiental (estamos a atravessar a 6ª extinção em massa, e não foi causada por um meteorito que colidiu com a Terra, a não ser que chamemos ao ser humano um “meteorito”. Bem vindos ao Antropoceno.);
6.       E a bomba terrorista (eles andam aí).

As consequências destas bombas podem ser devastadoras. Aliás já estão a sê-lo para muitos.

A estas bombas acrescentaria a bomba mais ameaçadora de todas: aquela que ninguém espera e que por isso não pode ser nomeada por ser uma bomba desconhecida. Não tenhamos a ilusão de que somos conhecedores de todas as ameaças que pairam sobre as nossas cabeças. A realidade cósmica pode surpreender-nos com uma verdade inesperada e, dessa forma, ameaçar a nossa existência. Como disse George Steiner uma vez e que já aqui foi citado:

Tenho uma certa imagem mental da verdade emboscada ao virar da esquina, à espera de que o homem se aproxime – e a preparar-se para lhe dar uma cacetada na cabeça.

George Steiner, Nostalgia do Absoluto, Relógio D’Água, 2003. Pág. 80 e 81

Entretanto, carpe diem.

Baixem lá essa bosta, pá!


Quereis um desígnio? Baixem-na! Baixem a dívida pública! Libertem as futuras gerações desse fardo. A dívida pública excessiva será uma amarra que não as deixará navegar.

É certo que cresceu com a crise económica após 2009, pela integração de dívida privada, do crédito mal-parado e dos bancos resgatados pelos contribuintes. Grandes (alguns na verdade eram pequenos e foram tratados como grandes) demais para falirem.

Mas não nos deixemos iludir pelos que se ufanam de tão bons tempos que vivemos (dizem eles), do reduzido défice (o menor de sempre, dizem), da redução do desemprego (é bom ouvir) e do incipiente crescimento económico que o país manifesta agora, em grande parte, devido ao turismo e às actividades no seu entorno. 

Gostaria de ouvir os políticos, lá do alto dos seus palanques, perorarem sobre a dívida pública com o mesmo entusiasmo com que discursam acerca da redução do défice e do crescimento económico. Mas não é lá muito conveniente, pois não?!

Enquanto uma dívida pública desta magnitude perdurar não estaremos seguros, nem nós, nem os nossos filhos, nem os nosso netos. Eles é que vão pagar. Teremos então gerações de escravos. 

Passos tardam na relva

Passos tardam na relva
Entre o luar e o luar,
Tudo é eflúvio e selva.
Sente-se alguém passar.

Passa, pisando leve
O chão que o luar desmente,
Num pálido hausto leve
De pisar levemente.

É elfo, é gnomo, é fada
A forma que ninguém vê?
Lembro. não houve nada.
Sinto, e a saudade crê.


                             Fernando Pessoa (5-9-1933)


sábado, junho 03, 2017

A nova pimenta de Lisboa

Lisboa está a passar novamente por um momento de prosperidade e o turismo é a sua nova pimenta. Houve outros tempos assim, em que uma Lisboa cosmopolita fervilhava de gente vinda de todos os cantos, uns atraídos pelas riquezas da Índia e pelas novas descobertas do mundo, outros, forçados, vindos em levas de escravos, outros ainda para trabalhar na construção das naus e dos novos edifícios emblemáticos do período das Descobertas, muitos dos quais ainda resistem para deleite de turistas e Madonnas. Lisboa então maravilhava e prosperava. Mas infelizmente não há bem que nunca acabe. No caso actual os efeitos secundários deste “bem” já se começam a sentir. Lisboa está cara. Lisboa não é para lisboetas. O seu centro transformou-se num parque temático e os turistas, hoje, são mais que pombos. Os lisboetas mais cobiçosos e oportunistas e com alguma capacidade financeira, ou de improvisação, apressam-se em transformar os seus apartamentos, pequenos ou grandes, novos ou velhos, em unidades de alojamento para turistas, que o tempo é de vacas gordas. É fartar vilanagem.

A incursão nocturna na Feira do Livro de Lisboa e os escritores judeus

Ontem realizámos a nossa primeira incursão nocturna na Feira do Livro de Lisboa. Missão: localizar rapidamente e sem ajuda de qualquer mapa ou GPS o pavilhão da Bertrand e adquirir por uns módicos 12,25 € o famoso livro do Prémio Nobel da Economia, Daniel Kahneman, Pensar Depressa e Devagar (Temas e Debates/Círculo de Leitores), anunciado como o livro do dia da editora e por isso mais barato. Soubemo-lo pela consulta prévia do portal da Feira, na Internet (http://feiradolivrodelisboa.pt). Subimos impelidos pela fresca brisa nocturna a avenida da esquerda por entre os pavilhões das editoras, levados pelo instinto e pela memória de outras feiras, e fomos certeiros. A Bertrand estava no sítio habitual com vários pavilhões e um amplo balcão corrido, exclusivo para pagamentos, com várias caixas. Missão cumprida, deambulámos depois por entre os pavilhões das editoras até ao cume da Feira onde estacionava uma convidativa carripana de farturas (na verdade estas carripanas encontram-se estacionadas em vários cantos estratégicos, no sopé e no cume da Feira).

Em casa, abro o livro, dou um relance nas badanas, na capa e no verso: Daniel Kahneman é judeu - outro judeu. Salto a introdução (ao diabo com as introduções, deixo-as quase sempre para o fim) e começo a ler o primeiro capítulo. Descubro que o livro tem duas personagens – o Sistema 1 e o Sistema 2. Torço o nariz. Que raio de nomes. Mas rapidamente se tornou claro que poderá ser uma leitura interessante, ou então será mais um livro que irá repousar na anti-biblioteca. O Cisne Negro do Taleb, já lá está. Foi lido até pouco mais de metade com algum interesse, depois com alguma resistência e depois com alguma penosidade: logo naquelas páginas iniciais se percebe o leimotiv, o motto - “shit happens” – que é apresentado em looping, com inúmeros exemplos, quase até à exaustão. Destino: anti-biblioteca. A leitura será retomada noutro dia, talvez para as calendas. Espero que não ocorra o mesmo com o livro do Kahneman.

Afinal os judeus, por razões históricas, religiosas e civilizacionais, parece que se especializaram na lapidação de diamantes, na banca e na escrita – são um dos povos do Livro -, e na verdade escrevem obras cativantes como diamantes. Quase sem me dar conta dou com a casa repleta de livros de judeus, estando inclusivamente a ler em simultâneo várias obras deles: Homo Deus, do Yuval Harary (HarperCollins Publishers),  George Steiner em The New Yorker (o da Gradiva), e agora este do Kahneman.

Nas prateleiras, repousam livros de Hannah Arendt, Elias Canetti, Zygmunt Bauman, Eric Hobsbawn, Stefan Zweig, George Steiner, Tony Judt e se calhar outros com os quais ainda nem me deparei, também escritos por gente da diáspora. Outros li, como Primo Levi, que não queria deixar de referir aqui. A todos eles tiro o meu chapéu. Grande gente, grande povo e grande civilização que culturalmente nos enriquece a todos. Como foi possível termos expulsado outrora esta gente?

Bem hajam! (Ops, não é este o título da obra de outro judeu que também li recentemente?).

segunda-feira, maio 22, 2017

O Alien: Covenant e a Guerra dos Tronos

No Alien: Covenant decidiram os argumentistas, como agora é moda, aproveitar e misturar cenas similares a outras histórias que fizeram história: nele encontramos a indomável criatura que escapa ao seu criador, virando-se contra ele, coisa que já vem do tempo do Dr. Frankenstein e provavelmente antes disso, e que se repete vezes e vezes sem fim, do Robocop ao Terminator, antes e depois. Temos também um robot psicopata, qual Hannibal Lecter, que esconde as suas intenções assassinas sob uma face inexpressiva, quiçá até bondosa e uma falsa atitude protectora, até se revelar na sua extrema agressão. E uma cena no banho, à Psico, do velho Hitchcock, mas agora com um casal bem amparado em vez de uma menina desamparada e de grito estridente.

Argúcia do realizador: receitas antigas para novos proventos.

***

Já na Guerra dos Tronos a misturada é também evidente: velhas epopeias, ilíadas e odisseias, histórias medievais, as histórias fantásticas de Tolkien, com dragões e anões, mas agora condimentadas com erotismo e soft porn (receita das Sombras de Grey?), relações incestuosas, sadismo, zombies e grosserias. Enfim, um melting pot que vende.

domingo, maio 21, 2017

A realidade sofre

«When examining the history of any human network, it is therefore advisable to stop from time to time and look at things from the perspective of some real entity. How do you know if an entity is real? Very simple – just ask yourself, ‘Can it suffer?’ When people burn down the temple of Zeus, Zeus doesn’t suffer. When the euro loses its value, the euro doesn’t suffer. When a bank goes bankrupt, the bank doesn’t suffer. When a country suffers a defeat in war, the country doesn’t really suffer. It’s just a metaphor. In contrast, when a soldier is wounded in battle, he really does suffer. When a famished peasant has nothing to eat, she suffers. When a cow is separated from her newborn calf, she suffers. This is reality.»
Yuval Noah Harari


Yuval Noah Harari, Homo Deus, A Brief History of Tomorrow, HarperCollins Publishers, 2017

***

Yuval Harari, testa a realidade pelo sofrimento. Quer saber se uma entidade é real? É, se apresentar um potencial de sofrimento. Caso contrário estamos a falar de abstracções, metáforas, realidades intersubjectivas, porém, não da realidade objectiva. Essa sofre. É um pensamento com similitudes ao pensamento cartesiano. O “penso, logo existo” de Descartes é substituído pelo “sofro, logo existo”. No entanto Harari circunscreve esta ideia à história das redes de relações humanas - the history of any human network. Não aplicou o método de Descartes – a dúvida em relação à fiabilidade dos sentidos na leitura de toda realidade. Descartes viu-se então só com o seu pensamento e, como não podia duvidar que estava a pensar, deduziu que existia porque estava a pensar.

A realidade para Yuval Harari não é um pensamento, é um sentir. O sentimento vem antes do pensamento, e vem depois. Ou vem sem que exista pensamento algum.

Porém, cogitatio est. O pensamento existe. (Ortega y Gasset)

sexta-feira, maio 19, 2017

Como Portugal criou o primeiro império global

«Este uso do terror será grandioso para a obediência a Vossa Alteza sem necessidade de os conquistar»
Afonso de Albuquerque

Roger Crowley narra-nos a impressionante história da entrada dos portugueses no Índico no início do século XVI. Como Portugal criou o primeiro império global? Lido o livro, a resposta à questão é extremamente simples. Portugal criou o primeiro império global através do terror. Um terror que aplicou com persistência e tenacidade. Onde quer que surgissem no mar, as enfunadas velas brancas com a vermelha cruz de Cristo pintada, a população dos lugares costeiros debandava. Fomos terroristas, piratas e corsários e aplicámos todo o hardpower para dominar a costa do Malabar, da África Oriental, do Golfo Pérsico e mais além. Chegámos a penetrar no ardente Mar Vermelho e ousámos trepar e atacar as muralhas de Adém. Fomos longe demais. O espírito que nos movia no início do século XVI era ainda o da cruzada medieval. O objectivo era matar o Islão no berço, passar o mouro à espada, sem dó nem piedade ou esmagá-lo por todas formas possíveis e imaginárias. Queimámos, esquartejámos, empalámos, enforcámos, retalhámos, massacrámos, pilhámos…

Conta o narrador que após a tomada de Goa os rios que envolviam a ilha ficaram rubros do sangue dos muçulmanos apanhados na orgia saqueadora, e que nem os crocodilos “conseguiram lidar com a fartura”. “Foi uma limpeza” escreveu Afonso de Albuquerque a Dom Manuel I.

A história de Portugal no Índico não foi uma coisa bonita de se ver.

E no entanto, ficamos perplexos com tanta bravura e crueldade.

O livro já vai na 6ª edição.

Etiquetas