sábado, agosto 19, 2017

Do racismo, da intolerância e do medo perante o desconhecido

A intolerância, sugere [Umberto] Eco, «chega antes de qualquer doutrina. Assim, a intolerância possui uma raiz biológica, manifesta-se no reino animal sob a forma de territorialidade, baseia-se em reacções emocionais que são, frequentemente, superficiais – não conseguimos suportar aqueles que são diferentes de nós, por a sua pele ser de outra cor; por falarem numa língua que não compreendemos; por comerem sapos, cães, macacos, porcos ou alho; por fazerem tatuagens…»  

Umberto Eco citado por Zygmunt Bauman, “Sintomas em busca de um objecto e de um nome” in O Grande Retrocesso, Objectiva, 2017, pág. 38

"No one is born hating another person because of the color of his skin or his background or his religion..."

Nelson Mandela citado por Barack Obama no Twitter a 13 de Agosto, em reacção aos confrontos e agressões de Charlottesville entre supremacistas brancos e manifestantes anti-racismo. @BarackObama

***

O racismo não é inato, como dizia Mandela, o que faz dele uma questão cultural. O racismo encontra, no entanto, solo fértil nesse sentimento de intolerância com raízes biológicas, a que se refere Eco, e que cada um de nós sente de forma primária e superficial. Há quem explore esse medo perante o desconhecido, essa intolerância, para incutir no outro a doutrina que proclama a superioridade racial de uns em relação aos outros. Saber que o racismo tem raízes em reacções emocionais superficiais é meio caminho andado para erradicá-lo. Os demagogos porém, como refere Bauman, exploram esse medo perante o desconhecido para expandirem ideologias do ódio:

Os demagogos fundamentalistas, integralistas, racistas e etnicamente chauvinistas podem, e precisam de, ser acusados de alimentar uma «intolerância rudimentar» pré-existente e de com ela lucrar, propagando, assim, as suas reverberações e exacerbado a sua morbidez – mas não podem ser acusados de causar o fenómeno da intolerância.

Onde procurar, então, a origem e a força motriz desse fenómeno? Esta última, a meu ver, será o medo perante o desconhecido – de que os «estranhos» ou «forasteiros» (por definição insuficientemente conhecidos, muito menos compreendidos, e praticamente imprevisíveis nas suas condutas e reacções face às nossas próprias jogadas) são o símbolo mais proeminente, o mais tangível, porque próximo e notório.

Zygmunt Bauman, “Sintomas em busca de um objecto e de um nome” in O Grande Retrocesso, Objectiva, 2017, pág. 39.


Curiosamente esse medo perante o desconhecido também tem sido ao longo da história explorado para fins de gestação e propagação religiosa, estando na raiz das religiões que dividem os seres humanos em diferentes credos. O medo perante o desconhecido é hoje ainda mais dramático, pois o contexto social e económico em que vivemos aponta no sentido da individualização, quebra dos laços comunitários e sociais e atomização, em que cada indivíduo se apresenta aos olhos do outro, cada vez mais, como um elemento estranho e suspeito, alguém que pode ou não encerrar todos os males do mundo (é uma incerteza, um risco), como uma caixa de Pandora, ou um terrorista. E a questão torna-se ainda mais paradoxal quando vivemos na era da omnipresença informacional. Cada vez mais informados mas desamparados perante o desconhecido à nossa porta, na nossa rua, ao nosso lado.

segunda-feira, agosto 14, 2017

"Trump" ad nauseam

Há quem se questione, perplexo, acerca das razões que levaram Trump a vencer as eleições americanas. Como foi possível? Há quem responda, mas a questão volta continuamente a ser colocada, o que prova que as respostas nunca chegam a ser conclusivas ou cabais. A perplexidade ainda persiste em muitos círculos de opinion makers que falam nas cadeias noticiosas mundiais (CNN, BBC, Sky News, etc.). Há quem considere Trump genial por conseguir ser notícia o tempo todo. Propositadamente ou não, ele tem a capacidade de ser notícia a um ritmo horário contínuo. O seu nome é pronunciado dezenas de vezes por hora, para não dizer centenas, em canais noticiosos como a CNN. Experimente o leitor ligar esse canal a qualquer sinal horário, quando vão para o ar as highlights. Era assim há um ano quando a campanha eleitoral americana estava no auge e os pivots da CNN lhe moviam um ataque cerrado, mas também é assim agora. O seu nome é matraqueado a todo o momento. "Trump" ad nauseam. "Trump" no prime time. Trump, a obsessão da CNN. Inadvertidamente o canal televisivo tornou-se o maior anunciador publicitário da marca "Trump" ainda que a maioria das notícias sobre ele não o favoreçam. Ainda assim publicitam-no. Ironicamente aparecem depois os opinion makers no mesmo canal a questionarem-se espantados acerca das razões que levaram Trump à vitória.


Não terá o facto de o canal manter a marca “Trump” no ar o tempo todo exercido um efeito em muitos telespectadores acríticos, da mesma forma que a publicidade repetitiva o faz relativamente a uma determinada marca de um produto que se quer vender?

sexta-feira, agosto 11, 2017

Nestas férias estou a ler…

…romances de cavalaria.


Quem diria que uma pechincha (custou apenas 2€ na livraria da Europa-América) daria um tão grande prazer de leitura. O livro da Europa-América está muito bem traduzido embora tenha algumas gralhas. Trata-se, no entanto, de uma edição de 1981. 

…ensaios de política e economia.


Gostei de ler acerca das origens do neoliberalismo, da incompatibilidade entre integração económica profunda, soberania nacional e política democrática ("a democracia, a soberania política e a integração económica global são mutuamente incompatíveis; entre as três é preciso escolher duas") e a desmercadorização do bem-estar...Mas existem muitos ensaios por ler. A leitura continua. 


A Segunda Guerra Mundial (a perspectiva inglesa).



É uma perspectiva inglesa com certeza. Com Martin Gilbert os ingleses saem sempre bem na fotografia. Mas é uma leitura interessante.

E falta a poesia. Mas as férias ainda não acabaram.

Etiquetas